30 de nov de 2015

O Adeus número quatro

o Adeus número quatro. E São Paulo mais nublada do que nunca tinha visto. Tantos olhos tristes que tudo é projeção - essa é a resposta. E a eterna frase marcada na pele: vai passar. E o eterno retorno na alma: vai voltar. Volta o lugar que nem sei mais se há ainda algo nele que eu possa voltar.

Das coisas concretas da vida, que se deixa, que se parte, que se coloca em volta da gente...
Tudo passa e a vida é passar o tempo todo
Mas na cabeça não passa nada: e é o diabo.
Não dá pra viver indo adiante colocando coisas concretas em volta da gente, partindo e deixando e se mudando de casa o tempo todo......... sem organizar as tralhas todas dentro da cabeça da gente

Psicanalisar é encontrar um infinito na cabeça. E durar a vida pra estruturar sabe-se lá o quê.
O bom é que o que se sente e o que se pensa não tem dimensão que se mensure.
De outra forma não caberia o tanto que foi.

E eu vejo a janela que mostra uma parte de São Paulo e me engasga alguma coisa na garganta

São Paulo nunca teve um nublado tão triste
- apesar de sempre triste e ainda por cima de tudo nublada quase sempre -
E me lembra, em associação direta, os morros de Santa Maria que estarão lá pra qualquer volta

Mas nem sei se ainda há algo que volta
A não ser a volta concreta
Sem a volta na cabeça
Que já entrou no giro do infinito
de um buraco que - deus me livre - quase não chega

sempre vem o concreto e fecha o que tem que ser fechado
mas é preciso organizar, organizar, organizar, colocar tudo no lugar
tudo no devido lugar
que nem tem devido de nada
a gente que vai inventando o que é devido
fazendo ter um devido lugar pra tudo.

menos pra volta
quero um devido lugar pra voltar.
quero um devido coiso para colocar tudo organizado bem dobrado entre a cabeça e a realidade que caiba certinho sem sobrar nem faltar

porque o tempo e a memória não tem dimensão que se mensure
portanto cabe
......
?
.....
às vezes é ao contrário, como o mar, que é concreto, colocado em volta da gente, e cabe meticulosamente na coisa concreta
e cabe concretamente dentro da gente
mas não cabe na cabeça de jeito nenhum
e não precisa de organização
organiza o mundo inteiro por si mesmo

é bom encontrar o mar
espelho da alma