23 de jul de 2015

Desarrollo, cultura y educación, de Eduardo Martí

Resumo


Muitas concepções a cerca do desenvolvimento humano em psicologia centralizam-se no enfoque do comportamento do sujeito, e o contexto aparece como algo externo, complementar e fixo.  Para o autor Eduardo Martí, o contexto é muito mais do que um conjunto de características físicas, e a cultura está além de uma estrutura que existe à parte do indivíduo. Este, a partir de suas representações e concepções transforma o contexto e constrói cultura, bem como o primeiro é transformado e construído pelo contexto cultural. Os cenários, abrangendo os aspectos físicos ambientais e representações culturais, são diversos, e se inter-relacionam, produzindo diversos efeitos singulares, a partir das variáveis de cada relação. Dessa forma, o contexto do sujeito caracteriza-se como uma rede que contém diversos entornos que se relacionam e se afetam. O sujeito, por sua vez, alimenta-se desses entornos e alimenta-os de volta a partir de suas ações e representações.

Palavras-chave: desenvolvimento, sujeito, contexto.

Martí inicia seu trabalho sobre desenvolvimento, cultura e educação, com uma crítica aos modelos dominantes de psicologia, os quais possuem seus fundamentos baseados na dicotomia sujeito/mundo. Nesta concepção de psicologia o sujeito recebe mais atenção do que o seu entorno. Este aparece como um conjunto de características físicas externas com pouca influência no comportamento humano.  
Para o autor, compreender o desenvolvimento humano exige mais do que a observação de comportamentos e condutas individuais e sociais de um determinado ambiente, requer analisar os sistemas de interação multipessoais, para além de um único entorno, e os aspectos ambientais para além da situação imediata a qual se encontra o sujeito. Além disso, é necessário visualizar o contexto como algo que existe diretamente relacionada ao modo de existir do sujeito, do qual é transformado à medida que o último se transforma. O contexto e o indivíduo se afetam de modo recíproco, e este não existe alheio ao sujeito, mas é resultado das ações e representações deste, assim como o sujeito é resultado do contexto cultural no qual se desenvolve.









Há diversos fatores determinantes básicos que podem ser analisados na influência do desenvolvimento humano, na defesa de um modelo multicausal, dentre fatores biológicos e ambientais, físicos e socioculturais. Trabalha-se, dessa forma, com três conjuntos: 1) determinantes biológicos e ambientais relacionados com a idade; 2) acontecimentos ou normas de uma unidade cultural, e 3) determinantes biológicos e ambientais relacionados com a história individual de cada sujeito.
Desse modo, a concepção de desenvolvimento sucede de modo multidimensional e multidirecional, caracterizando-se por sua plasticidade contextual. Isto é, há uma variedade de fatores determinantes do desenvolvimento, e uma enorme complexidade de interações características do processo de transformação.
O enfoque do contexto não se pode dar de maneira causal simples, avaliando qualquer variável social sobre determinado processo de transformação. A análise precisa dar conta da relação dialética entre o sujeito e o seu entorno.
O contexto não é independente da variável, e esta não é, simplesmente, dependente de um contexto fixo. Estes se complementam e se transformam mutuamente. Em outros termos, o contexto trata-se de um sistema organizado de estruturas em que se encontra o sujeito, que, por sua vez, atua e perpassado por inter-relações que atuam diretamente em seu desenvolvimento.
A teoria de da ecologia do desenvolvimento humano compreende o estudo da acomodação complementar entre o sujeito em desenvolvimento, sendo ativo, e os processos de transformação dos entornos imediatos em que a pessoa vive. Há, ainda, as
relações que estes entornos estabelecem entre si e entre os contextos maiores. Estes se afetam entre si, estando o sujeito incluído. Além disso, o desenvolvimento supõe a transformação nas características individuais do sujeito, resultando em uma reorganização contínua espaço-temporal.
É importante salientar que o contexto tratado aqui faz parte de uma ação efetiva do sujeito cambiante e participante a partir de suas representações e elaborações. Ainda, que o contexto diferencia-se do entorno pelo fato de que o primeiro trata-se da relação do sujeito em contato com o entorno.


Referências:



MARTÍ, E. (2005). Desarrollo, cultura y educación. Buenos Aires: Amorrortu.