14 de jan de 2014

A Casa Amarela

Há uma necessidade de aprisionar o momento,
segurar pelo eterno certa imagem que se forma quando se olha
de um jeito com os olhos meio assim
- um assim que não se repete -
e se sabe que mudando
esse jeito, assim, de olhar
a imagem se perde pelo infinito da nossa cabeça
com as milhares de outras imagens que obtivemos olhando de um jeito assim
diferente.

Portanto, se apegar a momentos
querer permanecer nas imagens que nos encontramos dentro
Portanto, fotos
Prisões perfeitas espaço-temporais.
Portanto, poesias.
O mais que perfeito, poesias.
Reter momentos em forma de palavras sem prender nada ali
Mas, de alguma forma, ter para si.

em uma calçada fumar um cigarro que dure a eternidade
observando o gato atravessar a rua
para a casa defronte da casa amarela
e o dono da tabacaria, que não é nada metafísico
nem literário como disse Pessoa,
te olha e não dá bom dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário