13 de dez de 2013

Feliz aniversário!



Na minha infância, eu costumava considerar o meu aniversário o melhor dia do mundo. Afinal, era o dia em que eu ganhava uma festa, recebia várias pessoas que estavam ali só pra me ver, via meus pais passando o dia inteiro em função de mim e ganhava vários presentes. Ah, eu gostava mesmo dos presentes. Sem contar que havia certa magia que permeava a situação de “ficar um ano mais velha”. Depois de assoprar a vela parecia que eu realmente crescia um pouco.
Agora, um pouco mais crescida, a maior parte disso perdeu o sentido ou mesma a existência. Essas coisas não acontecem mais, não tem mais festinha com chapeuzinho e balões nem a sensação de que algo mudou nesse dia. Mas então, o que é que mantém essa sensação de que o aniversário é uma data especial (porque, para mim, é uma data especial)?
Acho que o especial, o bonito, é que se espera algo desse dia – e se ganha. Não se trata de presentes. O fato é que no teu aniversário as pessoas significativas demonstram de uma significativa que te querem bem. Eu costumo dizer que é um dia que serve de desculpa para dizer e fazer coisas que demonstrem teus sentimentos pelas pessoas sem ficar chato ou parecer encheção/puxação de saco. E, bom, não é mais os presente, é ver meus pais se esforçando pra fazer meu dia legal, são as ligações dos amigos que não conseguiram te ver no dia, as palavras carinhosas, os abraços, os “parabéns” sussurrados no ouvido.
A sensação de ser querido por gente querida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário