10 de set de 2012

Intervalo entre o Mundo Externo e a Razão

     O Mito da Caverna, de Platão, representa, hoje, para cada um de nós, a ignorância  quanto a realidade. Diversas pessoas simplesmente fogem à verdade por medo de enxergar o conhecimento irrefutável, mesmo por suas crenças. Ver o inegável e obter o conhecimento gera sofrimento, angústia e inquietude, portanto viver sem a verdade pode ser, aos olhos de alguns, mais agradável e simples.
     De qualquer modo, mantendo-nos na sombra da ignorância não alcançaremos a evolução humana através da sabedoria, que é a nossa segunda principal busca - a primeira, de fato, é a felicidade. Para sairmos da "Caverna" precisamos nos desfazer de nossas opiniões criadas pelo mundo das aparências e tentar olhar ao nosso redor com outra visão.
     Segundo Platão, a realidade está apenas no Mundo das Ideias, o qual podemos alcançar através da razão. Apesar de concordar que nossa mente tem o poder de modificar profundamente a vida que levamos e com o fato de que a perfeição, muitas vezes, não se encontra em nada material, ou seja, que o nosso intelecto influencia em nossas percepções empíricas. Eu não acredito que chegaríamos a qualquer conclusão sem o mundo sensível, pois o meio determina, inclusive, o nosso próprio autoconhecimento. Com isso, pode-se dizer que uma pessoa de nosso convívio, um lugar, uma canção ou um livro (fatores do mundo sensível) modificam algo em nós que, quase sempre, nem percebemos. Isso acontece devido ao fato de nossas ideias de "Forma Perfeita" não serem inatas, eternas e imutáveis. Entretanto toda mudança causada por fatores externos (sensíveis) apenas é boa quando associadas ao exercício da razão porque os sentidos podem enganar-nos, mesmo quando tudo nos parece evidente.

Um comentário:

  1. Gostei do seu blog.
    Tem textos interessantes.
    Só precisa ser mais divulgado ;)

    Visita lá :)
    http://celtasim-h.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir