19 de set de 2012

Desencontros

     Olho-no-olho. Um passo e meio para trás. Já era. E não era pra ter sido.

      No dia seguinte, a presa errada chega, dela arranca a blusa e sente a cintura mais próxima, com força, com fervor, ardor e um pouco de rancor. E num átimo o que está fazendo se torna um absurdo. Há tempo de dar um passo para trás. Não era pra ter sido.
     - Eu não consigo mais... desejar você.
    
     A humilhação da presa, com a vida preservada, em detrimento da outra mais fresca e livre. A humilhação de uma presa cuja carne esfria com o tempo. A vida que podia ter tido. E não era pra ter sido.
   
     - Eu gostaria de explicar.
     - Eu gostaria de entender.
 
     Mas não há palavras. Só há a repulsa, a dor, a infidelidade, o veneno. Há o que ela não quer. Há o que ele não tem. Há o que não era para ter sido e foi.

     Do outro lado do centro da cidade, dois olhos negros brilham na escuridão pensando no que era para ter sido. E podia ser. Mas jamais. Não há explicação. Não há entendimento. Apenas a continuação.

2 comentários:

  1. de qualquer jeito a vida segue...

    ResponderExcluir
  2. Legal o seu blog de contos...faz pensar!!!
    Passando pra conhecer teu blog...Passa lah no meu pra conhecer tb!!!

    http://makeolatras.blogspot.com.br/2012/09/tutorial-make-colorida-rosa-com-amarelo.html


    Video Youtube:
    http://youtu.be/vTi5hG7VYAY


    Bjsss =]

    ResponderExcluir