2 de out de 2011

Scharlach

  Anna sentou-se no banco favorito dela e de John, no Jardim das Neves Brancas. Abriu a carta, como esperava não viu nada escrito, teria de dizer a palavra-chave para revelar as letras. Não poderia ser muito difícil para ela.
  - Memento Mori - não deu certo, seguiu tentando - Carpe Diem - filosófico demais, pensou, qualquer um do Universo Fantástico poderia adivinhar se fosse isso... já sei - vida - se não é vida, o que pode ser? John caprichou dessa vez.
  Alguma hora a resposta chegaria, ela sabia. Enquanto isso Anna observava a neve caindo incessante no jardim e sentia o aroma - sim, o aroma - esse era o mais incrível daquele lugar que infelizmente ela teria de deixar para sempre, como o próprio nome dizia, o Universo Fantástico era mesmo Fantástico, e o poder da mente era a lei principal dele, por isso era tão perigoso e fascinante ao mesmo tempo, todo desejo mais profundo do fundo do pensamento era realizado, como por exemplo, neves caindo em pleno verão em um jardim de uma instituição mágica - neves que tinham aromas. Anna estava lembrando-se da primeira vez que foram ali, não tinham nem dez anos de idade e descobriram tal fato, assustaram-se: "esta neve tem cheiro!" Eles exclamavam sem parar muito assustados e riam mais ainda, então o diretor Tarsch apareceu e explicou-lhes que "a neve exala o aroma daquilo que mais se gosta nos mundos." John disse que sentia o cheiro de flores silvestres e Anna disse que sentia o cheiro de grama molhada, com vergonha de assumir a verdade: sentia o aroma dos cabelos dele.
  Os anos passaram-se e o amor deles por aquele jardim aumentava cada vez mais, passavam horas sentados ali, observando a neve - nas quatro estações - e falando sobre qualquer coisa. Gostavam dos sons das palavras, Anna recordava-se do dia em que passaram horas pronunciando a palavra e cor preferida deles - escarlate, em várias línguas: "escarlata (espanhol), écarlate (francês), scarlatto (italiano), tulipunainen (finlandês), scarlet (inglês)" e o quanto era engraçado quando falavam em alemão: Scharlach. 
  - Scharlach - Anna pronunciou sem pensar em voz alta e percebeu que letras começaram a se revelar no papel em sua mão - A carta estava pronta para ser lida!
  
  "Anna, não imagina a falta que está fazendo. Não pensei que fosse tão terrível deixar uma parte minha para trás, quanta inocência carregamos em nossas mentes. Tarsch deve ter-lhe dito o quanto nossas mentes são especiais, tão especiais que não podem ficar próximas - ironia estúpida do acaso. Eu estou, como você já deve saber, na Ilha de Mares Vermelhos, você iria adorar este lugar, ele é bem mais quente que a Ilha de Neves Brancas, é claro, enquanto aí neva, aqui queima, você amaria isso aqui. Imagine admirar uma imensidão no fim da tarde, com o céu e solo vermelho, aqui é assim. Nas proximidades do colégio preparador de mentes daqui, existe um lago enorme de águas densas e escarlates, seus olhos encheriam-se com esta beleza, uns dizem que ele não tem fundo, outros me contaram que quando mergulhamos, se tivermos bons olhos e conseguirmos enxergar alguma coisa, vemos aquilo que desejamos, como vultos vermelhos - eu veria você ao meu lado. Isso me faz lembrar o jardim de Neves Brancas e o aroma da neve. Eu nunca lhe contei, entretanto, a neve tinha o cheiro de seu cabelo, para mim. 
  Minha garota, acredito que quando estiver lendo esta carta, Tarsch já terá dito-lhe que não podemos permanecer no mesmo universo. Isto é um absurdo, eu sei, mas não tive outra escolha, não depois de descobrir o que eu descobri. Nós somos especiais, sabia? Especial no pior sentido, pois se permanecermos fisicamente juntos, coisas terríveis aconterão. Eu não posso contar-lhe absolutamente tudo, pois apenas um de nós pode saber do segredo, o outro deve fazer a sua parte e tomar seu lugar no Universo Real - é a sua parte, e se você voltasse sabendo do segredo, enlouqueceria. Infelizmente para você, mais infelizmente para mim que fico, carregando esse peso sozinho, o peso de saber de tudo e não poder fazer nada. A verdade é que quem pode fazer alguma coisa é você que não sabe de nada, pois o real controla o imaginário/fantástico, apesar da verdade pertencer ao imaginário. É essa a questão, eu sei do segredo, mas a peça chave está em sua mãos, mesmo sem ter ideia do que seja. Quando Tarsch escolheu-me para ficar aqui, ele sabia que você era mais ligada à realidade do que eu, então seria mais fácil para você voltar à vida real. Olha, as Ilhas Negras e seu povo estão crescendo e ficando cada vez mais poderosos, você sabe o quanto eles são maus e usam o poder fantástico de suas mentes para fazer coisas terríveis nos dois universos, eles querem espalhar a treva, eu vou lutar aqui no Universo Fantástico contra eles, entretanto, a escuridão também já chegou no Universo Real, na Terra, em nosso país, em nossas casas. Todos eles estão tomados pela ignorância e pela vileza. Anna, é por isso que você tem de ir, você tem de combater isso, levando um pouco de nossa fantasia consigo, levando nossa clareza mental e boa filosofia. Nós somos os escolhidos, essa era profecia. Nós somos os escolhidos, nós temos a mesma alma, literalmente a mesma alma, por isso sempre nos assombramos com o fato de sabermos exatamente o que o outro sentia, e não acreditávamos quando penetrávamos um no intrínseco do outro (algo impossível para dois seres humanos), porém foi um erro termos nascido na mesma época, agora cada um tem de estar em seu lugar, em universos separados. Eu aqui no imaginário e você precisa voltar ao real, o quanto antes. 
  É inacreditável, não é? Há poucos anos atrás, conversávamos no mundo real, no quintal de sua casa, sob um pé de laranja, planejávamos montar uma banda em um futuro remoto, quando descobrimos o Universo Fantástico e começamos a passar mais tempo aqui do que na Terra, chegamos a pensar que poderíamos viver aqui para sempre - bom, eu vou, contudo o seu lugar não é aqui. Entretanto, você precisa saber que essa nossa separação é apenas física, afinal temos almas absurdamente interligadas e manteremos o contato sempre que você desejar isso profundamente, pois lembre que você controla a sua mente, logo... todo o imaginário e eu passarei a fazer parte desse. Você precisa manter o contato comigo e com o Universo Fantástico, para não ficar como as outras pessoas "reais". Não se perca de mim, por favor, é o que peço. Sabe o poder das estrelas... onde você olhará e me verá observando os principais momentos de sua vida. Sabe o poder do oceano... onde estarei, onde poderá encontrar-me quando desejar. Sabe o poder dos céus... é o nosso poder. Estarei com o corpo distante, e a mente logo ao seu lado - a distância não separa, as antenas parabólicas são a prova. Não fique paranoica... e pense sempre em mim que estarei com a alma sempre em você. Em breve, quando menos esperarmos, encontraremo-nos. E enquanto isso não acontecer, lembre: olhe-se no espelhos, seus olhos são meus olhos." 

  Anna secou as lágrimas, deixando a manga de sua blusa vermelha encharcada, quando sentiu uma mão em seu ombro - era Tarsch, ele também tinha os olhos molhados.  
  - Hora de ir para casa.

Um comentário:

  1. Adorei seu blog moça, ja estou te seguindo, segue de volta?

    http://clicks-jasiel.blogspot.com/

    ResponderExcluir