19 de set de 2011

Até o fim

  - Você deveria continuar a tentar levantar-se - insistia Nick.
  - Você diz "de novo"? - Joana perguntava incrédula. - Acho que já tentei demais e caí todas as vezes, ando caindo o tempo todo.
  - Deveria continuar tentando - ele tentava ser persuasivo com seus olhos castanho-esverdeados e sua voz penetrante. - De novo e de novo e de novo e de novo.
  - Eu já excedi nos recomeços, sinto muito lhe decepcionar - Joana o fitou demoradamente, para mostrar que não absorvia seus efeitos persuasivos e ele baixou os olhos. - Eu simplesmente não posso mais.
  - O que pretende, desistir? - Nick perguntou com falsa indiferença, e em seguida olhou-a novamente, com maior intensidade e continuou - acredita mesmo que conseguirá alguma coisa desistindo?
  - Não conseguirei de qualquer forma - Joana respondeu áspera.
  - Está enganada. Se eu desejo encontrar algo que vale a minha vida e busco uma vez, não acho e desisto de procurar, então nunca encontrarei e terei chegado ao fim, finalmente, e de mãos vazias. No entanto, se eu continuar procurando, sem nem pensar em desistir, não importa que a busca torne-se incessante, que demore ou que eu nunca encontre o que procuro; o que realmente importa é que eu não terei me entregado nem chegado ao final, pois estou lá, indo à luta, pagando pra ver, para um dia poder realmente ver.
  "Afinal, você quer desistir pra quê? Para ter a certeza de nunca conseguir? O que você conseguirá com isso? Você pensa que a sua vida acabou, que nada mais vale a pena. Depois de tudo, quer abandonar o barco agora e infelizmente você tem esse direito, todavia, saiba que desistindo tudo estará perdido, acabado, desaparecido, no fundo do mais profundo do abismo dos oceanos, com a esperança socada e afogada.

  Joana refletiu sobre todas as palavras ditas por Nick. Ela estava convicta de que sua vida estava arruinada, o pior acontecera, era realmente o fim de tudo. Ela queria entregar-se. Contudo, se era realmente o fim, o que fazia com que ela não desejasse a própria morte? Ela não sabia ao certo, porém ainda existia uma certa vontade de viver. Talvez Nick estivesse com a razão e o sentido da vida fosse continuar tentando, levantando-se, subindo sem se importar em chegar ao topo, apenas subir. Ela, como qualquer outra pessoa, é muito mais capaz do que imagina. E não passou por tantas situações para ceder assim. Enquanto houvesse um pouco de vida, ela não se entregaria, iria até o fim sem desistir.

Um comentário: