11 de jun de 2011

Coração, meu coração

  "Se o ama, liberte-o" - dizia-me a voz. Oh! Então vai, inconsequente meu. Vai enquanto há chances. Eu não te sigo mais. E não te espero. Foge, que não ouso segurar-te. Foge, enquanto há tempo. Nunca precisei de ti, e tu nunca precisaste de nada, todavia, sempre desejaste tudo. E logo eu não quis mais que um segundo para respirar, olhar estrelas e respirar, como qualquer ser humano possuidor de sentimentos. Contudo, se tu fores, não possuirei mais algo tão digno - digno de ser denominado alma. Vai e deixa-me só e sangrando; sangue podre e sujo como o sangue de hipócritas. Hipócritas, eles todos são. Hipócrita, eu sou também. Sou tanto quanto ou pior que eles. Pior que eles. Vendi minha alma à hipocrisia, em troca quis não sentir mais dor. Oh! Coração meu, vai aqui não há mais espaço para ti, só ao fingimento, interior em ruínas. Vai coração, meu coração. Salva-se e deixa-me sangrar sem dor. Vai coração, meu coração.

Um comentário:

  1. Eta!! Me perdi um pouco,mais e interessante...!!! vai atras..vlwlw

    ResponderExcluir