14 de fev de 2011

Quanto vale a vida?

   Olho para o céu e depois para as ruas e sinto uma liberdade enorme. Em cada face que passa por mim, há diversas ambições. E encaro-as como se quisesse descobrir o lado B, o sentido essencial de tudo. Vejo, naqueles rostos brilhantes, vontades inúteis e ilustrações de riquezas. É tanta, tanta gente vivendo sem entender como é que se vive. E trabalham em excesso, em algo que não lhes agradam, pelo luxo que procuram; mal sabem, os desventurados, que o maior luxo é fazer o que se gosta. E fazem tanto por obrigação, e fazem nada por gosto. E se preocupam tanto com materiais e aparências, e esquecem-se por completo das sensações; não se sentam na calçada nem sentem o sol; não sorriem para as estrelas nem choram com uma canção, tampouco ouvem canções. Alguns possuem uma fé em qualquer coisa que encha suas mentes de promessas e certezas incertas - se tornando fiéis mais devotos à doutrina do que a própria família. Contudo, não depositam fé nenhuma em si mesmos. Acreditam que o melhor caminho é aquele bem julgado; deveriam saber que o melhor caminho é aquele em que não existe o julgamento.
   Eu posso mesmo não saber o sentido essencial, porém sei o sentido existencial. Gosto da condição de ser sozinha e não precisar de ninguém, entretanto sei amar as pessoas e aceitá-las com seus jeitos estúpidos e fascinantes. Aprecio o mistério e gosto de não saber os sentidos, sinto-me livre por não os saber e não tendo a certeza de absolutamente nada sou completamente feliz. A minha liberdade é plena - sou livre de todo preceito. Vivo por viver e entendo que é assim que deve ser. Isso é a real liberdade, ser dono do próprio caminho e aprender que antes que a vida acabe você tem de viver de verdade.

5 comentários:

  1. olhe muito bom mesmo o conteudo gostei mesmo parabens ;D

    ResponderExcluir
  2. Mas viver de verdade não se confunde com a verdade. A gente sabe perceber o afastamento da vida na face do outro, em suas ações, mas o que nós estamos fazendo? Se você fala em viver por viver, eu discordo; contudo, prescindo de outro meio de explicar-lhe o sentido de minha recusa pra essa idéia. Eu não sei o que é estar vivo. Eu não sei o que é viver sem dor, amor e sem fins que me marcam tanto quanto o dia que nasci no meio dessa confusão.

    ResponderExcluir
  3. Acredito que não tenha compreendido, por culpa da falta de clareza de minhas palavras, o que eu realmente quis dizer. Eu também não sei o que é estar vivo sem esses sentimentos e creio que muitos não o sabem - senão todos. A base de meu texto foi apenas o fato de que algumas pessoas não dão a devida importância àquilo que sentem e desejam (não impus o que elas deveriam sentir, cada qual deseja o que lhe convém), essas pessoas a que me refiro vivem pela ideologia de nossa sociedade e somente por isso. Seguem os preceitos e, muitas vezes, enganam a si próprias. A liberdade que falo, da qual sinto que possuo, é a de observar tudo como se estivesse em outro patamar, não por ser melhor, somente por conseguir refletir sobre aquilo que importa à minha consciência, sem me preocupar tanto com o que já foi imposto há muito por pessoas que nem conheci, por ideais que no fundo sequer são meus. E, na minha opinião, viver dessa forma, fazendo o que lhe é coagido pela parte dominante de forma dissimuladamente branda (arrumar um emprego que não lhe agrada e perder suas horas; permanecer em um casamento envolto por mentiras, e muitas outras coisas "comuns e aceitáveis" para agradar alguém que não você), levar essa vidinha sem buscar o que realmente lhe faz feliz no mais profundo de seu intrínseco, isso pra mim não é viver, não em todo o sentido de "viver".

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Pamela Kenne, guardei cada palavra da sua réplica e saiba o quanto antes: sou seu fã distante e incondicional. Não pare de pensar, não pare de escrever. Esteja aqui a observar e praticar o seu movimento vívido de expressões múltiplas na suas articulações e, ainda que incompreendidas, por vezes, são eminentemente bonitas e elementais do que você é, de tudo que cresce e transmuta dentro de ti.

    ResponderExcluir