10 de fev de 2011

Permaneço em movimento

Não vejo o que fazer quando simplesmente vais embora,
Pois vais quando te quero presente.
Sempre te quero presente, sempre vais embora.
Então aqui permaneço porque sei de tua volta.
Vai e volta. Vai e volta. Vai e volta.
Foi assim durante todo o nosso tempo,
Creio que será assim enquanto eu estiver aqui.

Não vejo o que fazer quando simplesmente eu vou embora,
Pois vou para não voltar.
Quando já não quero a minha presença encostada a tua.
E vou sem contar tempo e muito menos dores, perdas, ou danos.
Vou para continuar permanecendo, permaneço sempre em outro lugar.
Assim fui e assim sou: eu me conservo
E vou conservando-me a cada dia de nova comuta.
Conservo-me no mundo. Permaneço em movimento.
Minha vida de permanência é uma grande deslocação.
E isso serve para todos os campos,
Na área de residência e na área do coração.

Um comentário:

  1. Essa sensação de necessidade da presença da pessoa do seu lado é algo sempre intenso. No entanto, a personagem do poema já não quis mais a presença do mesmo, isso mostra uma volta por cima daquilo que foi perdido. Algo que devemos fazer em nosso dia a dia, tentar viver e deixar-se viver. ^^ muito bom

    ResponderExcluir