4 de fev de 2011

Lento

  Passo a mão suavemente por teus cabelos e olho em teus olhos, tão profundos. Tua expressão é algo tão difícil de ser lida, me perco em cada linha de teu rosto, tentando decifrar-te, penetrar-te. Teus detalhes são minha incessante busca, meu universo a ser desvendado. A cada dia te descubro um pouco, avanço um limite. Vamos com calma, devagar, um jeito inédito de sentir, tão lento, lento... quero aproveitar cada pedaço desse nosso tempo; então despedaço tudo, vamos por partes e partes. Todas as tuas partes, eu quero. Eu te quero, é necessário. Se tornou necessário, culpa tua. E tudo ocorre tão lentamente; um olhar que dura uma eternidade e um sorriso que me faz parar no tempo. E teu gosto, teu cheiro, teu calor - ainda não cheguei lá, já disse: com calma; por partes. Teu gosto, teu cheiro, teu calor - Eu sonho. E o sentimento é suave e brando; e a dor se dá lenta. Saudade, falta e ausência. Então, tudo é lento demais. Demais!

2 comentários:

  1. A capacidade do ser humano de se prender a outro é incrível. Mais ainda quando isso torna-se uma vontade indestrutível. Pensamentos confusos voam pela nossa cabeça, imaginando como poderia ser se a distância, tão impiedosa, não existisse.
    Texto excelente
    parabéns pelo blog.
    Por: http://quaddronegro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto.
    Incrível o poder que as palavras tem de despertar sentimentos a quem as lê.
    Tive uma sensação indescrítivel quando li.

    Parabéns pelo bom uso das palavras.

    ResponderExcluir