31 de jan de 2011

Mais uma carta equivocada

   Mais difícil do que entender o que se passa em sua cabeça, é entender o que se passa na minha. Como se eu procurasse entender qualquer coisa. Não, não procuro entender absolutamente nada. Apenas penso; penso por pensar; penso em ti e literalmente só penso em ti. Como e quando isso foi acontecer? Como se eu pudesse saber quando exatamente eu me apaixonei. Porém sei do como, foi em algum segundo em que pude ouvir o que seus olhos queriam dizer-me, suplicantes. E suplicante eu me vejo neste segundo em que estou apaixonada e também no segundo anterior e no segundo próximo e em todos os outros segundos. E suplicante é minha aflição. E a sua aflição. Estamos aflitos. E suplicantes.

   O tempo acertou no instante em que nos colocou frente a frente; ocorreu no momento exato, acaso sucedesse em outra hora, nada feito, eu jamais teria lhe visto como vejo agora. Ah, e como vejo. Posso ver-lhe até em sua ausência - esta que é mais presente que sua presença. E a partir disso sinto tanto sua falta; sinto desde aquele momento exato, eu que nunca tive outro momento. Por tanto, nunca senti mais do que sua falta. Todavia me conformo, pois melhor sua falta do que nada.

   Seria capaz de sentir falta de sua falta se nem ela eu tivesse.

  Houve um equívoco: o tempo pecou em todo resto. Existe uma linha de fases que nos separa - linha do tempo. Me veem em um extremo dessa linha e você está no extremo oposto. E disseram-me que não poderia encontrar-lhe no centro dela. Porém eu nem sequer posso ver essa linha.

   Posso, então, encontrar-lhe em outro lugar?

   Queria mesmo lhe encontrar, antes que o caos afaste-nos e mate de vez o pouco que temos. Somos diferentes demais para sermos entendidos. Não que seja caso de entendimentos. Mas e se não nos compreenderem? O que faremos com todos aqueles versos incompreendidos? Eles não nos deixarão.

   Mas podemos deixar-nos se quisermos. Eu lhe deixo e você me deixa. Deixamos, por fim, o tempo. E o tempo que se acostume, afinal o equívoco foi dele.

3 comentários:

  1. gostei bebe *-*

    http://lanternadojuizo.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Lindo! *-*
    Continue sempre escrevendo! \o/ rsrsrs

    Abraços!
    http://lizzyjenks.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Belo texto! Mostra claramente o quão nos equivocamos quando ''adentramos'' em um relacionamento amoroso (foi isso que eu entendi rsrs)

    bjs

    ResponderExcluir