18 de dez de 2010

Tantas voltas

E me vejo aos pedaços mais uma vez.
Vejo meu orgulho tão rebaixado, pisoteado e massacrado
E tão para baixo, tão, tão, tão no fundo
Que me vejo descendo junto.
Eles me ofendem tanto, agridem, humilham, pisam e sambam.
E é tanta gente; é tanto peso de tantas coisas bobas, pequenas, falsas.
Ah, como queria gritar,
Por toda tristeza que é sempre tão abafada.
Sou tão pequena, mas é tanta gana.
E o mundo dá tantas voltas
E é como se todas elas se voltassem contra mim.
E Júpiter é tão distante e tão quente e eu queria tanto viver lá.
Não vivendo eu crio tantos planetas e tantos universos
Que são tão inventados que de alguma maneira, também, me invento lá.
E gosto tanto deles, pois são tão estranhos
E tão para dentro que eu entro e não quero mais voltar.
Mas sempre volto, como se a realidade fosse meu lugar.
E voltando me sinto tão mais viva e até melhor,
Então acho uma forma de ficar.
Mas ficando, o mundo dá tantas voltas, dessas que tiram tudo do lugar.
E me afundo novamente,
Imersa em tantos sentidos que não fazem nenhum sentido e torno a sonhar.
E sonhando vou para dentro e cada vez mais para dentro,
Que se torna quase impossível voltar.
E tenho tanto medo que meus universos imaginários me deixem presa em meu interior.
Mas o interior é tão agradável e tão composto que dá mesmo vontade de ficar.
Por outro lado, o lado de fora é tão real, tão preciso e chama tanto por mim que tenho que enfrentar.
Mas esse mundo dá voltas e são tantas voltas...

2 comentários:

  1. ae indiquei teu blog para ganhar alguns selos o/ vai lá busca-los
    parabens xD
    http://tabernadoviking2.blogspot.com/2010/12/momento-congratulations_19.html

    ResponderExcluir
  2. E tantas voltas são essas que nos fazem pensar se este é mesmo nosso lugar, se ao menos soubéssemos o que está a nos esperar,saberíamos de vez em quando onde deveríamos estar.

    Belíssimo texto.

    Grande Abraço.

    Bons ventos!!

    ResponderExcluir