24 de dez de 2010

Anseio

E o que sinto é tão carnal
Ah, meu amor, sei que sabes de meu desejo.
Embora tenha sido sempre real,
Só agora sentes e eu vejo.
Não apenas olhos e toda parte facial,
Vejo corpo e pele, quero toque e gosto.
Despertas em mim um lado animal
De um ser humano que é só e puro sentimento.
Te vejo, te sinto e preciso
Com urgência, com tempo, insisto
Que venha enquanto ainda por ti existo.

2 comentários:

  1. Não sei se foi intencional, mas percebo uma contradição entre o desejo mundano, essencialmente físico, carnal, com o amor, deveras idealizado e devoto.Gosto desse contraste, pelo menos na poesia.
    rs

    ResponderExcluir
  2. UAU '-'
    Me lembra as aulas de Literatura. rs Gosto de textos assim, onde a gente não entende nada, mas se identifica com tudo, ao mesmo tempo. rs
    Bom, estou de volta! Beijo xará :D

    ResponderExcluir