28 de nov de 2010

Ponto de paz

  E quando tudo que existe cai exatamente sobre nossas cabeças? Existem momentos em que isso acontece e nos vemos vivendo em uma completa desordem. Quando menos esperamos o caos está com a gente, de mãos dadas com a nossa sombra e, então, temos que aguentá-lo por um bom tempo, nesses momentos nos perguntamos: o que seria de nós sem os amigos? Não, não falo daqueles que estão sempre por perto durante a noite, nas festas, dividindo o dinheiro do táxi; não falo desses que se divertem com a gente e nos deixam em paz quando queremos, não que esses não sejam bons amigos, pelo contrário, são perfeitos em seus momentos. Contudo, estou falando dos amigos autênticos; aqueles que, clichemente falando, estão com a gente em todos os momentos, inclusive quando tudo cai exatamente em cima de nossas cabeças e o caos aparece parecendo que veio pra ficar; é justo nessa hora, em que nos vemos sozinhos e desamparados, que sentimos uma mão em nosso ombro e um empurrão sutil, gesticulando que precisamos continuar. Só isso. É o que precisamos para continuar. E continuamos.
   Eles estão ali ao nosso lado, esperando o momento certo de nos fazer sorrir, de nos fazer pensar; eles são literalmente mágicos, é incrível como compreendem, compreendem muito, desconfio que compreendam mais que a gente sobre a gente mesmo. E repreendem, também. Eles sabem, muito bem, diferenciar quando devem secar nossas lágrimas e quando devem deixá-las cair; sabem, mais ainda, quando devem ficar em silêncio e quando devem matar-nos de rir; e nunca, absolutamente nunca, nos deixam em paz. Sem eles não há paz, ou há, sei lá, mas seria uma paz ruim, uma paz vazia.

2 comentários:

  1. A autêntica amizade é como um bom livro, diz somente o que tem que dizer, e somente quando é necessário.

    Muito bom seu texto.
    Um beijo, M!sunderstood

    ResponderExcluir
  2. Um amigo não tem valor, não se explica, não se mensura, não se classifica, não há espaço, lugar, ou tempo ideal, transcende a gramática e abdica de substantivações inúteis minimizando as coisas, inclusive o que coisas não são, ou melhor, pessoas, que amam e são imensamente amadas por nós.

    ResponderExcluir